English Español Français Deutsch Italiano Český Polski Русский Română Українська Português Eesti 中文

Conhecimento contemporâneo sobre Deus, sobre a evolução e o significado da vida humana.
Metodologia de desenvolvimento espiritual.

 
Vladimir Antonov
 

Vladimir Antonov

Auto-regulação psíquica e crescimento espiritual (discurso no bosque)

Traduzido do espanhol para o português
por Tânia Maria Furtado Nobre

© Antonov V.V., 2010.




Muitas pessoas sofrem de seus fracassos no mundo material, de suas doenças… Como resultado, aparecem depressão, neuroses e outras psicopatologias. A maioria destas pessoas se entrega à bebida, fica sob o poder das drogas, convertem-se em delinquentes, acabam suas vidas suicidando-se…

Para tudo isto, existem duas razões principais: a primeira é a incompreensão por parte das pessoas da significação de suas vidas e a segunda é a falta de conhecimento acerca de como elas podem transformar-se para superar essas dificuldades com as quais nos deparamos inevitavelmente na Terra.

Sobre o aspecto filosófico-religioso deste tema, já temos falado em detalhe nos livros tais como: Obras Clássicas da Filosofia Espiritual e a Atualidade, Ecopsicologia e Conferências no Bosque sobre a Yoga Maior. Posso reafirmar que não se pode obter o equilíbrio psíquico nem a felicidade verdadeira sem que a pessoa incorpore Deus em sua cosmovisão e sem que realize um trabalho sério para aprender a controlar sua esfera emocional. É o mais correto começar este processo estudando a descrição verdadeira do mundo e compreendendo meu lugar e minhas tarefas nele. Só assim uma pessoa poderá estar seguro de que deve fazer esforços em sua auto-transformação e de que isto é para seu bem.

Infelizmente, a maioria das pessoas, educadas em um ambiente ateísta ou influenciadas por falsos conceitos religiosos, não pode aceitar facilmente o conhecimento verdadeiro que fala da existência de Deus, mas que, ao mesmo tempo, explica que não devemos pedir a Ele bens terrenos nem confiar em que alguns rituais vão “salvar-nos”. Em vez disso, este conhecimento propõe que nos aperfeiçoemos ativa e criativamente como almas ou consciências. Isto é o que Deus quer de nós!

* * *

Nossa experiência, obtida ao ensinar a arte da auto-regulação psíquica nessa época em que na Rússia foi proibido falar de Deus, demonstrou que quase todos os discípulos, sem insinuação alguma por parte do instrutor, começavam a experimentar a presença de Deus durante os estudos e se reconheciam como almas encarnadas em corpos. Então, mais tarde, eles, já conscientemente, começavam a procurar as verdades filosófico-religiosas.

É por causa dessas pessoas que estou falando agora, por causa daqueles que primeiro quiseram obter as provas e, somente depois, estarão prontos a aceitar a Verdade, mas aceitá-la não como fé, senão como CONHECIMENTO.

Contudo, para adquirir este CONHECIMENTO, é preciso esforçar-se na auto-transformação.

Tentemos transformarmo-nos! Que as metas iniciais para nós sejam levar uma vida harmoniosa entre outros seres, ter saúde e conhecer a verdadeira felicidade!

Comecemos com isto! E, aplicando o conhecimento que já ajudou a muitos, nos certificarem — pela própria experiência — de sua veracidade!*

Chakras e auto-regulação psíquica

Só aprendendo a controlar o funcionamento dos chakras, é possível dominar a arte da auto-regulação psíquica.*

O conhecimento sobre os chakras, suas funções e o trabalho com eles, mostramos com detalhes no livro Ecopsicologia. Portanto, neste momento somente explicarei em breves palavras aquilo que devemos saber no marco de nossa conversa de hoje.

No total existem sete chakras. Estão localizados na cabeça, pescoço e torso.

Cada chakra é responsável, entre outras coisas, de administrar bioenergias para aqueles órgãos do corpo que se encontram na área de sua influência. A contaminação de um e outro chakra com energias grosseiras pode provocar várias enfermidades crônicas dos órgãos respectivos. Neste caso, a limpeza dos chakras, com métodos descritos no livro já mencionado, proporciona a cura destas enfermidades.

No entanto, o fato ainda mais importante consiste em que cada chakra participa no nascimento de certos estados psíquicos.

Por exemplo, os dois chakras da cabeça são os responsáveis pela função do pensamento; o chakra do pescoço é responsável pela apreciação emocional das situações particulares percebidas pela pessoa; o chakra do tórax, que coincide segundo sua localização com os pulmões e com o coração, é responsável pelo nascimento de toda a variedade de emoções do amor; o chakra da parte alta do ventre é responsável pelo nascimento da energia (ou vigor); ao chakra da parte baixa do ventre, lhe corresponde a função reprodutiva e ao chakra mais baixo, que se localiza ao nível do cóccix e púbis, lhe corresponde a conexão com a energia kundalini.

Além disso, é importante saber que o chakra ajña, localizado no centro da cabeça, é “culpado” de muitas desgraças do ser humano, o que inclusive reafirma seu nome, que significa em sânscrito “não sábio” ou, simplesmente, “tolo”.

Este chakra, assim como todos os demais, também deve ser limpo e desenvolvido. Contudo, não se deve permitir que este chakra predomine! Do contrário, produzirá emoções egocêntricas convertendo seu possuidor em um egoísta.

Tais pessoas são ciumentas, susceptíveis, iradas, interesseiras, inclinadas a “cavar” nelas mesmas, etc. Alguns de eles, “rindo-se”, se convertem em neurastênicos-chorões, alcoólicos e pessoas suicidas.

Como alguns perros raivosos defendem seus canis ensinando seus dentes e ladrando, estas pessoas defendem seus egos mediante atos conflituosos. Eles consideram este estilo de conduta como uma norma e pensam que os outros são como eles e que a essência da vida consiste na luta mútua entre os “eus” individuais. Estas pessoas costumam justificar tal estilo de vida com o lema “lutar pela sobrevivência”.

Se uma pessoa está centrada no ajña e, além disso, tem a hiperatividade do chakra manipura, que se encontra na parte alta do ventre, então se forma o psicotipo* de “ajña-munipura”. Os exemplos mais conhecidos deste psicotipo são os déspotas constantemente irritados, agressivos e insatisfeitos com tudo e todos. Ademais, são muito presumidos e pouco inteligentes ou, melhor dito, tolos. Outro termo que se usa para denominá-los é ”pessoas primitivas e agressivas”. A inclinação ao alcoolismo é também sua peculiaridade. Desta maneira eles “tranquilizam seus nervos”. Também são mais propensos, sendo embriagados, a cometer vários crimes egoístas e atos violentos contra outras pessoas.

Psicotipo anahatico

Não vamos descrever outros psicotipos, porque já falamos sobre isto no livro Ecopsicologia. No entanto, devemos assinalar que existe o psicotipo oposto ao mencionado anteriormente. É o psicotipo anahatico.

As pessoas deste tipo psicológico são um tesouro na sociedade humana! São as almas encarnadas mais prometedoras no sentido evolutivo!

E ainda que elas mesmas sofram frequentemente com as pessoas primitivas e agressivas, são as que já começaram o Caminho Espiritual.

Deus é Amor. Jesus o Cristo ensinou isto e todos os outros Mestres o reafirmam.

E é possível acercar-se de Deus (com o qual sonham todos os crentes) só assemelhando-se gradualmente a Ele, assemelhando-se, antes de tudo, no amor.

O conhecimento sobre os chakras especifica como podemos obter e cultivar em nós mesmos esta qualidade de Deus. Pois as emoções da paixão terna, de ocupar-se do outro, da admiração por sabedoria e de amor ao Criador se originam e se mantêm numa estrutura emociono-gênica especial, chamada chakra anahata. É neste chakra se forma e logo cresce essa parte da consciência que se chama, em todas as tradições religioso-filosóficas positivas, coração espiritual.

Só desenvolvendo-se como coração espiritual, a pessoa poderá obter o verdadeiro poder espiritual e acercar-se do conhecimento direto do Criador e da União com Ele.

A propósito, amiúde surge a seguinte pergunta: será bom ser “anahatico”, mas maltratado frequentemente pelas pessoas primitivas malignas? Não será melhor também começar a desenvolver o poder grosseiro mediante métodos de magia negra ou mediante esportes agressivos tipo “gladiador”, em que os mais grosseiros e agressivos tem êxito?

Posso responder que cada um tem o direito, dado por Deus, para escolher. Mas deve pensar nas consequências desta decisão, pois o destino daqueles que mantêm e, pior ainda, cultivam tal grosseria é o inferno!

Pelo contrário, a perspectiva daqueles que se formaram como corações espirituais, como amor, é o paraíso ou outra dimensão espacial ainda mais alta! É assim porque quando nos separamos de nossos corpos mortos, ficamos naquele estado de consciência ao qual nos acostumamos durante a vida em nossos corpos.

Os que se acostumaram à maldade, em suas diferentes manifestações, viveram nestes mesmos estados entre os seres semelhantes. Isto é o inferno. (A propósito, não será apropriado reconsiderar a atitude ante estes tipos de esporte em os que as qualidades grosseiras são estimuladas e desenvolvidas intencionalmente? Estou seguro de que o esporte deve exaltar a Beleza, e não a confrontação entre as pessoas, nem a agressividade, a violência ou a crueldade!)

Os que se acostumaram ao amor terno e solícito também ficarão nestes mesmos estados entre seres semelhantes. Isto é o paraíso.

Uma pessoa chega ao inferno ou ao paraíso não porque pertence a uma ou outra organização religiosa nem tampouco por realizar ou não um ou outro ato, mas, sim, como resultado do movimento evolutivo da alma correto ou incorreto, para o Criador ou para a direção oposta.

As pessoas razoáveis entendem isso muito bem.

* * *

Então o que podem fazer aqueles que valorizam o princípio de Amor e acreditam na existência de Deus, mas não querem ser fracos?

A resposta já deve ser bastante clara: devem aproximar-se do Criador, crescendo cada vez mais como corações espirituais. Através disso obteremos o poder verdadeiro e a invulnerável nas relações com os seres infernais tanto encarnados como não.

Uma alma encarnada pode transformar-se não só qualitativamente, eliminando algumas qualidades suas e adquirindo, desenvolvendo outras, mas também pode crescer quantitativamente. Primeiro podemos começar a crescer — como corações espirituais — nas caixas torácicos de nossos próprios corpos e logo, já fora deles, alcançando uma magnitude de vários metros, quilômetros e, mais tarde, milhões de quilômetros. Uma alma que já cresceu até tal grau e aprendeu durante este crescimento muitas outras coisas pode entrar no Criador enriquecendo-o com Ela Mesma.

O significado de nossas vidas consiste em desenvolver-nos até tal grau que possamos aproximar-nos da Morada do Criador no Universo multidimensional e entrar Nela. Não obstante, Ele recebe só aqueles que se converteram em Amor. Não existe nenhuma outra possibilidade de conhecer a Ele.

O que acontecerá conosco ao começar a nos transformar desta maneira?

O primeiro e o mais importante que teremos será a possibilidade de experimentar profundamente o estado de amor. E não será somente uma emoção fugaz, mas sim, um estado duradouro de tranquilidade benévola e luminosa.

Ademais, desaparecerão as emoções de inimizade, irritação, agitação, medo, inveja, impaciência, assim como as enfermidades causadas por estas e outras emoções negativas. Também se modificarão nossos campos bioenergéticos e para as outras pessoas será mais agradável comunicar-se conosco. Em acréscimo a isso, melhorarão as relações com inimigos e aparecerão novos amigos sinceros. E vamos poder compartilhar com os demais a experiência e o conhecimento espirituais que obteremos durante o processo de nossa transformação. Assim encontraremos companheiros da busca espiritual.

E muito em breve, os Espíritos Santos, os Representantes do Criador, aparecerão em nossas vidas. Estes novos Amigos nos guiarão e nos ensinarão dali em diante.

Desta maneira Deus — como uma Realidade Viva, e não como um mero símbolo ou objeto de uma fé vacilante — entra na vida cotidiana e se converte em Pai-Mãe, Amigo e Amado Mestre.

E como consegui-lo na prática?

Existem vários métodos naturais para desenvolver o amor cordial.

Um deles é tudo aquilo positivo que se relaciona com a esfera reprodutiva, quer dizer, a sexualidade desinteressada, cheia de ternura e de ocupar-se do outro, o cuidar dos filhos, etc.

Outro método é a sincronização emocional com a Beleza sutil, beleza que pode ser representada por diversos fenômenos naturais belos e também pelos corpos humanos harmoniosos.

Além disso, existem técnicas especiais auxiliares para limpar e desenvolver as estruturas energéticas do organismo, os chakras e meridianos. O uso destas técnicas acelera significativamente o crescimento espiritual do praticante e lhe permite dominar muito mais rápido a auto-regulação psíquica. Como já sabemos, estamos falando, antes de tudo, do desenvolvimento do chakra anahata e do desenvolvimento do coração espiritual que começa a crescer inicialmente dentro deste chakra e logo pode expandir-se daí.

É importante destacar que podemos progredis mais rapidamente trabalhando com tudo isso entre a natureza. E seria ainda melhor se o fizermos nas zonas naturais especiais, chamadas lugar de poder (contamos sobre este fenômeno em detalhes nos livros já mencionados).

Bem, agora mostrarei alguns exercícios iniciais e também alguns mais avançados para o auto-desenvolvimento.

Em particular, vou mostrar como se pode aprender a separar-se do próprio corpo. Claro está que não vamos nos separar para sempre, mas somente por algum tempo durante os treinamentos meditativos.

A única maneira correta de fazê-lo é sair, como um coração espiritual desenvolvido, desde o chakra anahata para trás!

Depois de aprendê-lo, nos certificaremos cem por cento de que não somos corpos! Somos almas, consciências, energias capazes de ser conscientes delas mesmas e de perceber-se tanto no corpo como fora dele!

Ao dominá-lo, nos libertaremos do medo da morte! Pois nos convenceremos de que podemos existir sem corpo!

Deste momento em diante, poderemos continuar nosso aprendizado já como consciências livres de nossos corpos, consciências que estudam, sob a direção dos Mestres Divinos ou Espíritos Santos, o Absoluto multidimensional. E a tarefa principal dos Mestres Divinos é levar-nos à Morada do Criador.

É essencial que as pessoas entendam, por fim, que não são corpos materiais! Mas o problema consiste em que este conhecimento não está presente nas mentes nem sequer daqueles que se consideram crentes!

Prestemos atenção ao fato de que inclusive na tradução do Novo Testamento para o russo (e, possivelmente, para alguns outros idiomas) há expressões tais como “minha alma”, “tu ou sua alma”. E eu inclusive ouvi uma expressão muito absurda: ”perder a alma”.

Mas como é possível “perder a alma” se eu sou uma alma!

Até a interpretação muito conhecida do sinal de socorro “SOS” (Save our souls! — Salvem nossas almas!) é absurda, porque é um chamado a salvar almas quando, na realidade, o que se salva neste caso são os corpos!

E as almas precisam ser salvas de outra forma: explicando as verdades filosófico-religiosas e ensinando as técnicas de auto-aperfeiçoamento espiritual!

E não existe nenhum sentido em chorar e afligir-se pelos que morreram, pois eles estão vivos! E o que morreu foram somente suas “moradas” temporais, seus corpos!

Tampouco tem sentido aferrar-se à vida do próprio corpo se a morte já chegou.

Neste caso o importante não é a morte, e sim como temos vivido e até que grau temos conseguido realizar o significado de nossas vidas nestes corpos ante o Rosto de Deus!

Assim que, apressemo-nos para chegar a ser melhores! Pois, agora já sabemos como!


(Demonstração dos exercícios).*


Claro está que não se pode aprender tudo isto em um só dia. Além disso, não lhes contei nem mostrei tudo o que deve ser aprendido. Mas aqui estão as etapas principias do Caminho e também as provas demonstrativas de que é possível realizar tudo isto!

Comecemos a atuar! E Deus, com certeza, nos ajudará! Porque isto é o que Ele deseja de nós! Porque isto é no que Ele está interessado pessoalmente!


Literatura recomendada

 
Página principalLivrosArtigosFilmesGaleriaScreensaversNossos websitesLigaçõesSobre nósContato